sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Das flores que não morrem... Das folhas que não caem...

 Respiro... e espero...
O fim de mais um Inverno
E esse ar primaveril
Não faz anúncios de flores novas
As estações completam seus ciclos em desordem
Os ventos de Outono nem arrastam mais as folhas mortas
Minhas emoções faleceram
E a sua partida ainda é o grande acontecimento da minha vida
Meus dias se misturam
Falta luz...
E todas as mil cores que você me deu, desbotaram... 
Sigo... no opaco... em declínio
Recordo-me do tempo em que éramos chuva
Chovia na sua cidade
E meus olhos eram tempestade
Soube que você agora... dorme na sua antiga cama
Nos mesmos lençóis de antes
E eu aqui... ainda espero pelo Verão dos teus olhos
Água do céu caindo na janela
Você dormindo feito criança
E por dentro da madrugada de nós dois...
A Primavera arde...
Na sua pele tatuada...


(Hoje... eu precisava de um pouco mais de você. Teus olhos bem de perto... sua presença real... sem inventar versos.... dizer simplesmente... que eu te amo.)

11 comentários:

poesias maria do carmo disse...

oi Sil,que saudades...lindíssimo poema,onde retrata todo um sentimento sincero,bjos.

J. Ríos disse...

Que o inverno se vá e que a primavera volte, mas que venha não trazendo apenas flores,que desta vez traga ramalhetes de amores...Lindo texto, Sil.Está andando sumida!

Abraços

psrecuerdame.blogspot.com

Andre Mansim disse...

Puxa... lindo poema!
Ei menina andas sumida hein!

Eraldo Paulino disse...

Me senti na primavera aqui (mesmo sendo do norte)

Bjs!

She disse...

Ei querida!

Te mandei e-mail! ;)

Beijo, beijo!
She

Gil Façanha disse...

Cada frase tem um tom de intensa verdade. Obrigada por tua visita. Te desejo uma linda semana, cheia de amor e paz, e muitos sorrisos de alegria. bjs.

Nilson Barcelli disse...

Belo poema.
Gostei das tuas palavras.
Com muita sensibilidade.
Querida amiga Sil, tem uma boa semana.
Beijos.

Elaine Castro. disse...

Oi Sil, eu também sempre relaciono momentos da minha vida com as estações do ano, e as assossiações que fez nesta poesia ficaram simplesmente perfeitas.

Beijocas e saudades.

Simplesmente disse...

gostei... a poesia sabe criar musica... :)

Eraldo Paulino disse...

Lindo, Sil!

Primavera desabrocha flores e talentos. Já li cada coisa linda na blogsfera sobre a primavera.


Bjs!

Jaci Rocha disse...

as folhas que não morrem e as folhas que não caem são cultivadas embebidas no mais doce alimento. O Sentir!
E como é bom SENTIR...

Lindo o teu sentimento revelado nestes versos!
Beijo! =)